quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

O povo paga, os vereadores...

Do relatorio supra, pode-se apreciar a produção dos ilustres e nobres edis durante todo o ano. A maioria deles, como Claudinho, Mário Barbosa, Edilson, Nei, Débora, Edney, Monteiro e Serginho foram pródigos em "indicações".

As indicações, como já taxou um ex-prefeito, "é como cheque sem fundos"; engana trouxas (no caso os eleitores) e acaba voltando sem surtir efeito algum. Então, conclui-se que os nobres foram exímios passadores de cheque sem fundos.

Também há a abundância de "requerimentos", a maioria dos quais dispensáveis hoje em dia, haja vista que as informações podem ser obtidas nos portais de transparência, no Tribunal de Contas, no Diário Oficial e no Ministério Público. 

Note-se, ainda, que o vereador Nilson Satolu e o Edson pastor foram os que menos "trabalharam" no ano.