sexta-feira, 22 de dezembro de 2017

A eleição de um canalha tornado ladrão...

Nesse natal, nos púlpitos dos templos religiosos os padres, pastores e dirigentes outros têm o dever com suas crenças de se dirigirem as suas ovelhas e, ao apascentarem-nas, abrirem-lhes os olhos e as mentes.

Mostrar-lhes o que ocorreu em inúmeras cidadezinhas por aí, onde os eleitores foram comprados com cem reais.
Demonstrar o que ocorreu onde recursos "mocozados" em empresas de transporte escolar, em prestadoras de saúde, em provedores de merenda e etc., fraudaram as "democráticas" urnas.
Deixar patente aos ouvintes que, como nao poderia deixar de acontecer, o desastre se consumou.
Mostrar que, por conta de uma maioria insana, burra e corrupta, toda a população se "fodeu".
Mostrar que a barganha que corre solta entre Executivo e Legislativo, o toma-lá, dá cá, são contubérnios que esboroam o que resta de honestidade nos homens (e mulheres) de bem...
......................
A situação é de tal gravidade que nos impede de sermos polidos.
É chegada a hora de chamar as pessoas e coisas por seus próprios nomes e atributos:
Ladrões, canalhas e sacanas são os políticos que se assentam no poder para dilapidar o cofre público...

Perjuros são os que se furtam a cumprir o seu dever de fiscalizar o poder, de salvar o sítio ameaçado...

Covarde, preguiçoso e cooptado é o povo omisso, auto-degradado, que se cala frente ao grande balcão de negócios que se instalou no município em que vive...